Herois do Olimpo RPG

Fórum de Mitologia Grega baseado em Percy Jackson e os Olimpianos e Os Heróis do Olimpo!




ATUALIZAÇÕES DO FÓRUM




Absolutamente TUDO de novo que foi adicionado ao fórum DEVE ser postado neste tópico (localizado em "Noticias e Atualizações" do Mural Divino). Esse é um tópico de uso exclusivo da ADM para expor novas informações e servirá como um meio de comunicação onde os players poderão se manter atualizados sobre aquilo que vem acontecendo dentro do fórum.
Por isso peço encarecidamente que sempre estejam olhando este tópico e que o enviem aos novatos para se ater das mesmas coisas que vocês, avisem colegas e amigos sempre que virem algo novo acontecendo.
Se você, jogador, tiver algo para falar a respeito do que foi postado aqui, use nossa chatbox ou mesmo o tópico da central de atendimento: http://www.heroisdoolimpo.com/t46-central-de-atendimento-ao-campista

IMPORTANTE: Esse tópico é para ser atualizado sempre que algo mudar, não precisa ser preenchido somente por Ártemis e Hefesto. Se vc tem algo novo para postar, POSTE COMO COMENTÁRIO AQUI, seja uma mega missão, ou qualquer outra coisa.

Veja em: http://www.heroisdoolimpo.com/t2341-atualizacoes-do-forum-leiam-e-fiquem-por-dentro-do-que-esta-acontecendo

Novidades serão postadas como comentários ao longo do tópico!



Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

 » Acampamentos » Acampamento Meio-Sangue » Casa Grande » Livros e Fichas » 

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

 ✓[FICHA] Stiles Stilinski Empty ✓[FICHA] Stiles Stilinski

por Allan Blackmore em Sab 11 Out 2014 - 16:38

Allan Blackmore

Allan Blackmore
Filho(a) de Phobos
Filho(a) de Phobos
Ver perfil do usuário
______________________________________________________________________________________________________________________________________

Ω Nome: Stiles Stilinski
Ω Idade: 16 anos.
Ω Aparência: Cabelos negros que chegam a cobrir os olhos, que são de um tom castanho claro. Ele não é muito alto, magro mas com um corpo atlético.
______________________________________________________________________________________________________________________________________

Características Psicológicas:
Ω Humor: Um cara com um humor e personalidades bastantes variados, as vezes está calmo ou pensativo, as vezes está enfurecido ou alucinado. Ele possui duas personalidades bastantes comuns.
Em uma personalidade ele é calmo e quieto, ficando sempre na sua. Dificilmente fala com alguém, a não ser com seu irmão Tate, única pessoa que ele é gentil e amigável.
Sua outra personalidade é quase como a de um psicopata, observador a todos os detalhes da cena, concentrado em seu objetivo e cauteloso. Ele é capaz de enganar facilmente uma pessoa.
Ele adora sentir dor, além de ser muito sanguinário e adorar ver o inimigo sangrando e com dor.
Ω Três Qualidades: Cauteloso, observador e quieto.
Ω Três Defeitos: Ignora muito as pessoas, é muito sanguinário e um sociopata.
______________________________________________________________________________________________________________________________________


Ω História:
As luzes estavam quase todas desligadas, e as poucas acesas emanavam um brilho fraco, deixando quase todo o lugar em um breu total. Muitas pessoas teriam medo de atravessar tal cena de "filme de terro", mas sempre tinha algum tolo que se arriscava a isso.

A enfermeira andava por entre os corredores escuros do sanatório, carregava uma bandeja cheia de seringas e sedantes, e até "tarjas pretas". Ela andava tranquilamente, seus passos ecoavam pelos corredores, em direção ao quarto n° 13, o quarto do pior paciente do sanatório.

Ela andou pelo longo corredor, o único que dava para o quarto n° 13. Uma parte do corredor estava escura como a noite, e mesmo assim a enfermeira continuou. Ela adentrou a escuridão, e um grito ecoou por todo o lugar.

O som de passos anunciava uma pessoa, e de dentro da escuridão saiu um garoto. Magro e baixo, os longos cabelos negros cobriam seus olhos, um sorriso "killer" estampado em seu rosto. Ele andou até o quarto n°13 e entrou. E na escuridão se encontrava uma mulher caida no chão, seus olhos vidrados, e nenhum sinal de agressão.

◆ ◆ ◆ ◆ ◆ ◆

Uma mulher baixa conversava com a diretora do sanatório, ela tinha longos cabelos castanhos, uma expressão séria em seu rosto.

- Temos que fazer algo urgente em relação a isso. Já foram 3 mortes só está semana! E a última foi encontrada no corredor de dava acesso ao quarto dele. - A mulher tomou uma posição de seriedade e fitou a diretora.

- Não pode ter sido ele! O quarto dele é o que possui mais trancas neste lugar, e nenhuma enfermeira séria louca para abrir a porta dele. Além disso, ele é constantemente sedado. Não há como ele fugir!

- Margarete, isso é muito sério. Ele é o paciente mais estranho daqui, e ninguém se sente confortável perto dele. Ele me dá arrepios só de olhar.

- Eu não posso fazer nada! Não temos provas que foi ele, e é impossível ele sair daquele quarto.

- Tudo bem, Margarete. Mas temos que tomar precauções em relação à esses assassinatos.

A mulher se levanta e vai embora, deixando a diretora só. A diretora pega 3 relatorios e murmura para si - O mais estranho é que não há sinal de agressão, e foi confirmado que não há nenhuma substância no organismo das vitimas. Mas como alguém pode mata-las?

◆ ◆ ◆ ◆ ◆ ◆

Uma enfermeira loira preparava a agulha de uma injeção, e então o sedativo. Ela se vira para Stiles e murmura para si - Quanto mais rápido eu fizer isso melhor! Não quero passar muito tempo perto desse louco - Ela então injeta o sedativo no braço dele e depois sai. Em mais ou menos um minuto Stiles começa a rir, e murmura - Veremos quem é o louco! - E então seu riso se eleva.

◆ ◆ ◆ ◆ ◆ ◆

Eram mais ou menos 00:30, mas mesmo assim algumas enfermeiras continuavam trabalhando. Alexia já estava no fim de seu expediente, e estava louca para ir embora. O corredor por onde ela andava estava vazio, sombrio. As luzes começam a piscar, e uma sombra começa a andar em sua direção, e assim que ela olha para a sombra, o mundo desaparece.

◆ ◆ ◆ ◆ ◆ ◆

Alexia acorda e se vê em meio a escuridão. Ela estava suspensa no ar, seus braços e pernas envoltos em correntes que os puxavam para lados opostos, a fazendo parecer um X. Uma voz começa a rir e então fala:

- Eles me chamam de louco, então eu vou mostar o louco para eles. Você vai morrer, aqui e agora!

No mesmo instante as correntes começam a puxar os membros da garota para direções opostas. A garota gritava de dor, e por piedade.

- POR FAVOR, PARE! POR FAVOR, NÃO ME MATE. POR FAVOR!

- Eu não conheço a piedade, e nem faço questão de conhecer!

As correntes puxaram mais e mais, até que os membros sederam, e o corpo da garota se dividiu em 5.

◆ ◆ ◆ ◆ ◆ ◆

A garota tomba morta no chão, os olhos vidrados. Stiles sorri, e murmura "Agora a próxima". Derrepente ele ouve sons de passos, e a luz de uma lanterna ilumina parte do corredor.

- Tem alguém ai? - Era a voz de uma mulher, baixa e gorda. Ela olha para o corpo no chão e começa a gritar.

Nesse momento Stiles já estava correndo, para onde ele não sabia. No meio do caminho uma enfermeira sai de um corredor, e ela nem sequer notou Stiles e já estava morta no chão. O garoto continua correndo, sorrindo cada vez mais ao perceber que estava perto de seu destino.

Ele ouviu vozes logo a frente, e decidiu entrar por entre uma porta. Ele se encontrava em meio à uma cozinha, e pega uma faca em cima de uma mesa. Ele ouve um barulho vindo do armazém e se aproxima. De dentro dele sai uma mulher com um saco de arroz na mão, e logo ela já estava morte com um corte na garganta.

Ele sai da cozinha e se ve em um corredor que levava para o seu destino, a sala da diretora. Ele anda até a porta, e a adentra.

As duas mulheres estavam encolhidas no canto da sala, em pleno desespero.

- Por favor Stiles, não nos mate!

O garoto apenas riu e falou para as duas - I will make you suffer - E entao o mundo sumiu.

◆ ◆ ◆ ◆ ◆ ◆

As duas mulheres estavam presas por correntes, envoltas por todo o corpo. As corrente estavam ligadas ao topo de uma jaula quadrada, que possuia em duas extremidades duas grades com espinhos afiados. Logo embaixo da jaula se encontrava uma piscina de acido súlfurico.

- Divirtam-se! - Uma voz começou a rir.

- Por favor Stiles, por favor. Pare, por favor - A diretora começou a se desesperar - POR FAVOR! POR FAVOR, NÃO NOS MATE. POR FAVOR STILES, POR FAVOR!

A voz riu e falou - Eu não conheço a piedade. O lamento é para os fracos! Agora morram! - Ele começou a gargalhar, e então a tortura começou

As correntes começaram a apertar os corpos das mulheres, provocando imensa dor e as fazendo gritar.


- POR FAVOR, NÃO NOS MATE.

As correntes começaram a apertar mais e mais, e então um estalido é ouvido. A grade de espinho foi arremessada com muita força contra as duas, as empalando com espingos.

- Bom sonhos!

Ao dizer isso um click é ouvido, e o elo que segurava a jaula se quebrou, fazendo a jaula cair rumo a piscina. Para uma morte lenta e dolorosa.

◆ ◆ ◆ ◆ ◆

Stiles olha para os corpos no chão, o seu tipico sorriso "killer" estampado em seu rosto. Ele sai do comodo e segue rumo ao seu quarto, matando qualquer um em seu caminho. Em pouco tempo ele havia criado um rastro de corpos e sangue no chão.

Ele chega no seu quarto e entra, seu lar por cerca de 6 anos. Ele pega a faca e faz um corte em seu antebraço, e passa o dedo no sangue. Ele anda até uma parede e começa a escrever com seu sangue.

Derrepente ele ouve inumeros gritos vindos de fora, mas qual seria a causa deles? E assim como começaram os gritos se cessaram. Ele ouve o som de passos vindo do lado de fora,e então a porta é aberta.

Um garoto lhe observava. Ele era alto, cabelos em um tom loiro castanho. Ele possuia um rosto belo e tranquilo, mas algo nele atraia Stiles. E o observava, a faca em mãos.

- Stiles, eu vim para te tirar daqui! Me chamo Tate Langdon, e vim te buscar, irmão.

Stiles nunca sentiu afeto, e nunca foi amado. Ele nunca conheceu seus pais, e nem mesmo o amor e carinho. Ele geralmente era chamado de "louco", e ao ouvir a palavra "irmão" ele sentiu algo estranho. Um sentimente até agora desconhecido para ele, a alegria.

Stiles solta a faca e anda até o garoto, o abraçando forte. Uma lágrima rolou por seu rosto. Uma lágrima fria, que desenhava um rosto cansado. Uma lágrima que carregava todo o seu sofrimento.

Tate parecia surpreso com o que houve, e então notou uma frase escrita com sangue na parede: ENCONTREI O EQUILÍBRIO CORTEJANDO A INSANIDADE.

#1

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum