Herois do Olimpo RPG

Fórum de Mitologia Grega baseado em Percy Jackson e os Olimpianos e Os Heróis do Olimpo!




ATUALIZAÇÕES DO FÓRUM




Absolutamente TUDO de novo que foi adicionado ao fórum DEVE ser postado neste tópico (localizado em "Noticias e Atualizações" do Mural Divino). Esse é um tópico de uso exclusivo da ADM para expor novas informações e servirá como um meio de comunicação onde os players poderão se manter atualizados sobre aquilo que vem acontecendo dentro do fórum.
Por isso peço encarecidamente que sempre estejam olhando este tópico e que o enviem aos novatos para se ater das mesmas coisas que vocês, avisem colegas e amigos sempre que virem algo novo acontecendo.
Se você, jogador, tiver algo para falar a respeito do que foi postado aqui, use nossa chatbox ou mesmo o tópico da central de atendimento: http://www.heroisdoolimpo.com/t46-central-de-atendimento-ao-campista

IMPORTANTE: Esse tópico é para ser atualizado sempre que algo mudar, não precisa ser preenchido somente por Ártemis e Hefesto. Se vc tem algo novo para postar, POSTE COMO COMENTÁRIO AQUI, seja uma mega missão, ou qualquer outra coisa.

Veja em: http://www.heroisdoolimpo.com/t2341-atualizacoes-do-forum-leiam-e-fiquem-por-dentro-do-que-esta-acontecendo

Novidades serão postadas como comentários ao longo do tópico!



Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

 » Acampamentos » Acampamento Júpiter » Outros Locais » 

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

Ὧ Elie Van Let

Ὧ Elie Van Let
Filho(a) de Magia
Filho(a) de Magia
Ver perfil do usuário
> Nome da narração: Passeio na Floresta
> Objetivo da narração: Capturar uma Cobra
> Quantidade de desafios: 2
> Quantidade de monstros: 2
> Espécie dos monstros: Minotauro, Cobra



Um passeio na Floresta



A noite estava calma quando saí do dormitório da primeira Coorte. A maior parte de meus colegas legionários dormiam, e os que estavam acordados estavam ocupados demais para reparar em minha saída.

Esgueirei-me pelas esquinas até estar no campo aberto que intermediava os dormitórios e a vasta floresta ao nosso oeste. Caminhei até estar diante do bosque, encarando as árvores de copa alta. O vento fazia-as dançar sob seu ritmo, e o farfalhar das folhas compunha a melodia daquela valsa hipnotizante.
-- Vamos passear na floresta enquanto seu lobo não vem – Cantarolei, saltitando para dentro da mata.

Por sinal, carregava comigo meus equipamentos mais básicos.

Equipamento:


- Peitoral de Couro
- Chicote-Lança "Porraloca" [Bronze Celestial]
[*]
- Chakram [x2] ►
- Varinha da Lua Nova [š]
- Flecha de Prata [x5]
- Adaga de Runas [1]
- Dragão Negro “Foice de Estígio” [2]
_________________________
Poções, Drogas, Remédios, etc.

- Seringas Injetáveis [Droga Sonífera][x19][10ml][Zzz]

Segui pela mata com um único objetivo; encontrar uma cobra. Esperava encontrar alguma com um bom tipo de veneno, o qual pudesse usar em minhas pesquisas futuras. Não visava matá-la, mas sim capturá-la e criá-la em cativeiro. E foda-se o IBAMA.

Caminhei pelo escuro por alguns minutos. O vento soprava, frio, e eu já me arrependia de não ter vestido nada mais quente que uma calça fina e meus coturnos surrados de sempre, com uma blusa sem mangas sob o peitoral de couro. Segurava a varinha na mão esquerda, enquanto a direita portava minha adaga, pronta para uso. E, bem, logo veio a oportunidade de usá-la.
O primeiro sinal da aproximação do inimigo foi o som de galhos quebrando. Pensei que pudessem ser as pequenas criaturas que ali viviam, mas não dei esta sorte. Olhei ao redor, através do escuro inexistente a meus olhos. Uma filha de Magia podia ver mais do que bem através da noite, afinal.
O segundo sinal foi uma baforada alta. Como dez máquinas a vapor vazando ao mesmo tempo. Olhei ao redor. Não tinha idéia do que podia ser, mas logo o brilho do bronze surgiu entre as árvores, e consegui ver o que me aguardava ali.
Um minotauro se aproximava, farejando o ar. Parecia não enxergar muito bem, pois só fixou os olhs em mim quando estávamos a quatro metros de distância. Bufou mais uma vez, enfurecido deus sabe lá por que. Minotauros estão sempre com raiva, pensei. Era engraçado.
O monstro tinha mãos nuas. O brilho de bronze vinha de três argolas em seu septo. Imaginei que era deles que as garotas do ensino médio tiraram a idéia de piercings no septo. Fazia sentido.
Preparei-me para a luta. O monstro bateu o pé no chão, bufou e apontou os chifres para mim. Flexionei os joelhos, aguardando sua investida, que não demorou a vir; com a ira de cem carrinhos de bate-bate, o minozinho avançou contra mim, que consegui evitá-lo com um salto para o lado. Tentei esconder-me atrás de uma árvore enquanto vasculhava minha bolsa atrás de uma seringa. Agarrei duas lá dentro, destampei-as e aguardei. O minotauro devia estar me procurando. Podia ouvir seu farejar, e logo ele bufou de raiva, e eu soube que havia suposto que eu estava ali pelo meu cheiro.

Saltei para fora da coluna, arremessando ambas as seringas no ar, balançando a varinha e controlando-as com minha Telecinese, mandando ambas direto contra o peito do minotauro.
O monstro ignorou as duas seringas em seu peito, e voltou a avançar contra mim. Recuei e dei de costas com uma árvore. Opa. Em um momento de desespero eu me joguei para o lado, o que deu certo, afinal. O monstro enfiou os chifrs na árvore, ficando preso por um momento, e tentei aproveitar esta oportunidade para avançar, atacando com minha adaga, mas o mino balançou seu braço, atingindo-me nas costelas, e por um momento tudo o que vi foi o chão da floresta, cheio de folhas, minhocas e caca de passarinho. Definitivamente, o físico não era meu forte. Mas graças a minha mãe eu tinha outras qualidades.

O minotauro livrou-se da árvore com um tapa. Enquanto a pobre angiosperma caia, o monstro virou-se para mim, um brilho assassino nos olhos. Balancei debilmente minha varinha, fazendo o chão afundar sob sua pata esquerda. O bovino humanóide furioso tombou para um lado enquanto seu membro afundava até o joelho anatômico.

-- ruminante estúpido – Falei, levantando-me. Minhas costelas doíam feito o caralho.
Puxei uma flecha do cano da bota, feita inteiramente de prata, e soltei-a no ar, fazendo-a flutuar,concentrando-me em canalizar minha energia através da varinha. Com um aceno, a flecha voou contra o minotauro preso, fincando-se em seu pescoço. Porém aquele pescoço tinha uma armadura de 15cm de músculo, então tudo o que consegui foi enfurecer o minotauro, que debateu-se tentando puxar a perna do buraco, mas balancei a varinha, aumentando o poço. Ele aparentemente era burro o suficiente para não pensar em, calmamente, apoiar-se nos braços e puxar a perna aos poucos. Tentava levantar-se arrancando o membro do chão com força bruta.

Olhei para minha adaga. Por que não?, pensei, dando de ombros. Arremessei a lâmina contra o minotauro e, com toda a sorte a que eu tinha direito, acertei-o na testa. Com o cabo da lâmina, é claro. Suspirei e ergui a varinha, fazendo a adaga parar de cair no meio do ar e voltar a voar contra o minotauro, fincando-se em seu peito. Por um momento o minotauro bufou e debateu-e, mas em seguida as runas da adaga brilharam, douradas, e o monstro ficou paralisado. Suspirei, aliviada. Minotauros. Pergunto-me se seriam multicavitários como os ruminantes normais, ou se eram unicavitários como nós, humanos. Concluo que seria isso; apenas um estômago. Afinal, não comiam forragem, mas sim carne.

Tinha interesse em abrir a criatura e explorar suas vísceras, mas não tinha tempo para aquilo. E àquela altura, já estava com ódio do minotauro, e nada me deixaria mais satisfeita do que vê-lo virar pó. Aproximei-me dele a passos calmos, observando o ódio e o susto em seus olhos brilhantes, encarando-me. Agarrei o punho da adaga e, usando toda a minha força, puxei-a para baixo, depositando meu peso na lâmina, rasgando o monstro do peito à barriga. Fechei os olhos quando o mino explodiu em pó diante de mim.

Levei dois minutos para recuperar o fôlego e voltar a buscar por meu alvo. Em determinado momento vi rastros de cobra no chão; a terra e as flhas movidas em zigue-zague, denunciando a passagem de uma serpente. Segui as marcas, mas tudo o que achei foi uma jibóia descansando sobre um galho. Não servia a meus propósitos.

Já estava cansada de minha caminhada quando a vi. Enrolada em cima de uma folha grande e verde, como sua espécie gosta, estava uma belíssima micrurus albicinctus. Da família Micrurus, prima da conhecidíssima Coral. Com toxina neurtóxica e de climas temperados. Puxei uma seringa da bolsa devagar. Não queria assustá-la. Ergui a seringa no ar com minha Telecinese e, com um gesto de mão, a fiz flutuar cuidadosamente até estar próxima da serpente, onde a fiz disparar e atingi-la em seu corpo roliço. O animal debateu-se e esgueirou-se pelas folhas, e corri para seguí-la sem perdê-la de vista, mas a seringa estava presa a seu corpo, e eu conseguia sentir o metal deslizando entre as folhas.

A luta da cobra doru cerca de dois minutos, quando o sonífero finalmente fez efeito. Agarrei-a com cuidado nas mãos e a acomodei em um compartimento de minha bolsa, deixando sua cabecinha carinhosamente posicionada para fora. Assim, voltei para os dormitórios, saltitante, onde a prendi em uma das várias gaiolinhas de rato no laboratório de alquimia dos filhos de Magia. Junto a ela deixei um ratinho, branco como a neve, do qual ela poderia alimentar-se se sentisse fome. Forrei o chão da gaiola com folhas, e cobri as laterais, de forma que a claridade e movimentação no laboratório não a incomodassem. Ao sair, cobri a gaiola com um pano. Minha nova filhinha estava acomodada.

Informações sobre Itens, Habilidades e etc:

Regeneração de Luna I: Quando o filho de Magia está sob a luz da Lua Nova ele regenera 15 pontos de energia por rodada e 15 pontos de vida.


Nível 4 – Visão Noturna: Filhos de Magia conseguem enxergar a noite e em ambientes com baixa luminosidade.

Nível 5 – Banho de Lua: Ao lutar à noite, sob a luz da lua, o filho de Magia tem suas capacidades Maximizadas (+10 WIS, AGI)

Nível 5 – Regeneração gradual de Energia: Mesmo sem a interferência da luz da lua nova, os filhos de Magia conseguem recuperar suas energias mais rapidamente. Recebem 5 de Energia por rodada.

[Zzz] Droga Sonífera: Ao ser injetada ou ingerida por alguém, causa sonolência no alvo, durando tempo indeterminado (Mínimo duas rodadas. Depende do tamanho do indivíduo e de seu metabolismo), com chances de causar leves alucinações. Com aumento da dose, pode levar a sono profundo com sonos perturbados. Efeito aprimorado (+5% de efetividade). Pode levar algum tempo para fazer efeito (mínimo 1 rodada, máximo 3).

š - Uma varinha de madeira escura feita de casca de teixo,capaz de maximizar o poder Forças do filho de Hécate.

[1] Adaga de Runas: Uma pequena adaga de bronze celestial marcada com a runa Ken ao contrário. Causa paralisia ao alvo por 3 rodadas. Entrará em espera durante 5 rodadas.

Item que tento adquirir:
Cobra “micrurus albicinctus” [Jovem] – Uma serpente capturada nas florestas. Possui veneno neurotóxico ; “Afetam o sistema nervoso causando inicialmente paralisia dos músculos faciais. Em alguns casos nos músculos responsáveis pela deglutição e respiração, podendo assim, causar asfixia e consequente morte.”

#1

Poseidon

Poseidon
Deus Olimpiano
Deus Olimpiano
Ver perfil do usuário
Muito bom, excelente.

Experiência recebida: 650
Dracmas recebidos: 300

Acesso no laboratório: Micrurus albicinctus
Cobra. Para ter acesso ao seu veneno, deve-se alimentar a cobra corretamente com um mamífero pequeno.

#2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum