Herois do Olimpo RPG

Fórum de Mitologia Grega baseado em Percy Jackson e os Olimpianos e Os Heróis do Olimpo!




ATUALIZAÇÕES DO FÓRUM




Absolutamente TUDO de novo que foi adicionado ao fórum DEVE ser postado neste tópico (localizado em "Noticias e Atualizações" do Mural Divino). Esse é um tópico de uso exclusivo da ADM para expor novas informações e servirá como um meio de comunicação onde os players poderão se manter atualizados sobre aquilo que vem acontecendo dentro do fórum.
Por isso peço encarecidamente que sempre estejam olhando este tópico e que o enviem aos novatos para se ater das mesmas coisas que vocês, avisem colegas e amigos sempre que virem algo novo acontecendo.
Se você, jogador, tiver algo para falar a respeito do que foi postado aqui, use nossa chatbox ou mesmo o tópico da central de atendimento: http://www.heroisdoolimpo.com/t46-central-de-atendimento-ao-campista

IMPORTANTE: Esse tópico é para ser atualizado sempre que algo mudar, não precisa ser preenchido somente por Ártemis e Hefesto. Se vc tem algo novo para postar, POSTE COMO COMENTÁRIO AQUI, seja uma mega missão, ou qualquer outra coisa.

Veja em: http://www.heroisdoolimpo.com/t2341-atualizacoes-do-forum-leiam-e-fiquem-por-dentro-do-que-esta-acontecendo

Novidades serão postadas como comentários ao longo do tópico!



Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

 » Acampamentos » Acampamento Meio-Sangue » Chalés » 

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

As Crônicas de Kal

por λ Criptoniano em Qui 16 Jun 2016 - 22:36

λ Criptoniano

avatar
Filho(a) de Ares
Filho(a) de Ares
Ver perfil do usuário
Nome da narração: As Crônicas de Kal parte 1: Lembranças.
Objetivo da narração: Contar uma história, introduzindo as próximas partes da OP
Quantidade de desafios: Tecnicamente nenhum
Quantidade de monstros: Tecnicamente nenhum
Espécie dos monstros: Tecnicamente nenhum




Já era tarde. Ultimamente o acampamento estava com uma superlotação de novos campistas que não sabiam nem como tinham chego e nem o que iriam fazer, agora que tinham sido reclamados. E mesmo com minhas obrigações de conselheiro do chalé de Hera, eu acabava tendo que cuidar dos novos guris de Ares, já que Ryan estava sumido.

Com toda essa correria, eu mal tinha tempo de fazer um dos hobbies mais estranhos, porém mais satisfatório que tinha: Deitar no telhado do chalé durante a noite e observar a imensidão do espaço. Eu sabia, só de olhar lá para cima que Yvaine estava me olhando de volta. E eu pensava nela.

Hoje por motivos de praticidade, eu estava deitado no telhado de Ares, em meio a um monte de arame farpado e (por incrível que pareça) pedaços de armas e armaduras quebrados. Sério gente? Jogar isso no telhado? Dou um sorriso enquanto ouço o som do vento passando por mim. Coço a vasta barba que crescia ultimamente em meu rosto, pensando que a um ano atrás, ela não estava ali.

‘É Cripto, você tá ficando velho. ’ – Digo para o nada, então caio no sono ali mesmo.

Incrivelmente, sonho com Helta. Fazia séculos que ela não voltava para me assombrar... Minha primeira falha em missão, minha primeira esposa. Mesmo que de mentira.

Acordo afastando a imagem daquela missão da mente. Ainda era madrugada, por volta de uma hora da manhã e eu ouvia um barulho estranho, junto de uma vibração no telhado.

Filhos de Hermes tentando roubar o sinal de TV que Ares tinha instalado especialmente para seus filhos? Impossível que iam roubar enquanto eu estivesse ali. Começo a me levantar quando vejo os causadores do barulho: três filhos de Ares pequenos. O mais velho não deveria ter 10 anos. Reparo nos três. Aparentemente tinham escalado o telhado por algum motivo e estavam todos com os braços ensanguentados, devido ao arame que coalhava o telhado.

‘Que vocês querem aqui em cima tão tarde?’ – Pergunto para os três.

‘Você é Criptoniano, não é? Falaram pra gente que você é o nosso irmão mais forte... Por favor, conte seu segredo para nós! Somos crianças mas o Oráculo disse que nós três temos um grande futuro pela frente!’.
Estranho, essas crianças novas deviam ter vindo com as últimas dezenas de ultimamente. E queriam que eu fizesse o que? Contasse uma história para elas? Dou um muxoxo de impaciência, porém a frase ‘Irmão mais forte’ tocou meu coração. Tudo isso misturado com o sonho que eu tinha acabado de ter, me faziam fazer o que eu faria a seguir.

‘Sentem-se ai. Vou contar uma história para vocês de quando eu ainda era inexperiente. Se eu ouvir um pio durante a história, vou arremessar os três daqui de cima até a casa grande. Combinados?’ – Falo tudo isso me sentindo o maior tiozão.

‘É Cripto, você está ficando velho’- Penso.

As três crianças estavam morrendo de empolgação. Não era todo dia que escutavam uma história de Criptoniano, que possuía milhares delas. Então pigarreio a garganta, pergunto se estão todos bem acomodados e começo a falar, quando sou interrompido por um leve som de pouso em cima do telhado.

‘Também gosto de histórias. ’ – Diz Son Ruan.
‘SHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH’ – Dizem as crianças para o guerreiro macaco, que dá risada e se acomoda sentado em cima de uma placa de peito amassada.

‘Tudo começa quando eu passei no teste para campeão de Hera... ’

‘Eu havia sido reclamado no dia anterior e tinha dormido no chalé de Hera no mesmo dia, afinal agora eu tinha acesso a ele. Logo pela manhã o filho de Atena já me convidou para o embate. ’

‘Minha montante não estava comigo, Ares a tinha pego para incrementar alguma coisa no balanço da arma, então eu estava treinando com uma espada longa junto de Aaron. Não sei se vocês conhecem, mas o filho de Atena é forte, e estava me dando uma surra, pois mesmo com minhas habilidades, uma espada tão pequena quanto aquela longa deixava difícil a arte de defender e atacar ao mesmo tempo.’

‘Então fui desarmado. Nem fiquei envergonhado, muito pelo contrário, gostei de perder pelo menos uma, muito embora até hoje eu penso que se eu estivesse com a montante, teria quebrado um braço do meu irmão de devoção.’

‘Após a luta, fomos para o chalé, para tomarmos banho e ir almoçar logo em sequência. Eu nunca cheguei a sair do chalé, pois assim que sai do banho, com a toalha enrolada na cintura mesmo, tinha uma mulher sentada na minha cama... A mulher que tinha feito um desafio para mim prestar devoção à ela.’

‘Sim, era Hera. Não sei se vocês já a viram, talvez o Ruan sim. Mas não dá para descrever a beleza dela... Porém eu já sabia que estava enrascado, afinal ela aparecer só para me dar um oi? Eu duvidada e muito. ’

‘A questão era que ela precisava que eu cumprisse uma missão. Alguma coisa sobre resgatar uma donzela em um castelo. Ela ia se casar com um homem e ambos não se gostavam, estavam casando por política. E como a moça era uma humana que ainda nessa era moderna cultuava Hera, a deusa se sentia na obrigação de ajuda-la. E por ajuda-la, eu fui teleportado até uma planície. Era um mar de grama para qualquer lado que eu olhasse. Porém algo me dizia para seguir em frente. ’

‘Entendam, eu sabia que a missão seria difícil no momento em que percebi que eu estava pelado. Apenas a toalha em minha cintura oferecia alguma proteção. Eu estava ferrado. ’

‘Era por volta de 1 hora da tarde, quando finalmente comecei a andar e achei a uns 200 metros de distância do local onde Hera tinha me jogado a espada longa que eu estava usando contra Aaron. ’

O guri mais novo me interrompe, apenas para recapitular: ‘Mas espera. Hera te mandou pelado para uma missão? Com apenas uma espada?’ No que respondo: ‘Sim, você não sabe como é ruim andar numa planície com o capim alto roçando no seu... Bem. Vamos voltar à missão. ’

‘Então caminhei por um bom tempo. E sabe o que é ruim quando você é um semideus experiente? Quanto mais forte você é, mais seu cheiro se espalha e monstros vêm até você. Hoje em dia isso não é problema, pois consigo acabar com quase todos... Porém naquela época, meu cheiro se espalhava medianamente. E os monstros que vinham, vinham em bando. ’

‘Lutei enquanto seguia reto. Eu sabia que o castelo estava perto, pois conseguia o ver em cima de uma montanha. O castelo era tão alto que eu sabia que congelaria antes de chegar lá em cima se continuasse pelado. Então fiz um negócio nojento: Quando matei uma trupe de assassinos, peguei a adaga de um e escalpelei uma manada de touros gigantes que corriam pela planície.
Não era a roupa mais bonita, mas eu estava quente por baixo de tanto pelo ao menos. ’

‘Credo. ’- Diz Ruan em minha mente. Continuo: ‘Agora que eu estava aquecido, consegui caminhar tranquilamente até a base da montanha. Porém quando eu olhei para cima, vi o quanto eu estava ferrado. De longe parecia que a montanha era pequena, porém ela era enoooooooorme. Eu já sabia que seria horrível escalar aquilo ali, então pensei em outra coisa: Como que o pessoal chegava lá em cima? Deveria haver alguma porta na base da montanha e um caminho por dentro da mesma. ’

‘Já era por volta das 18 horas. Eu sabia que o casamento aconteceria à noite, então eu tinha que ir o mais rápido possível. Corri contornando a montanha até que achei uma porta de madeira meio escondida. Com um chute a mandei três metros para dentro da sala que ela escondia. ’

‘Os gritos foram imediatos. Contei de início 12 guardas ali embaixo com tasers e cassetetes elétricos. Três vieram em grupo para cima de mim de imediato. Sem pensar muito, usei minha espada longa para tentar um corte na horizontal... Bem. Com a montante eles seriam seis pedaços, porém a espada longa além de ser de ferro era uma simples espada longa. Ela parou no meio do tórax do homem do meio, que morreu. Porém o terceiro membro usou o cassetete para me atingir no ombro. O couro que eu usava absorveu um pouco o impacto, porém o choque da arma fritou os pelos e me deu um forte tranco, deixando meu braço levemente dormente. ’

‘Com um soco do braço dormente, finalizei esse. Humanos né. Alvo simples. Nem fiquei com remorso, pois estava em uma missão para Hera, logo só o que importava para mim era impressioná-la. Puxei a espada do corpo do segundo membro e olhei para os outros nove, que não cometeram o mesmo erro e avançaram de uma vez contra mim. Foi o maior erro deles. Com um passo longo para trás, eu já estava do lado de fora da porta, e eles tiveram que passar um por um. Como um açougueiro, matei todos, decapitando e fatiando tudo pela frente. ’

‘Com todos mortos, entrei na sala e despi a pele que eu estava usando, trocando a pela roupa do guarda que tinha morrido com um soco. Agora sim eu estava infiltrado. Peguei um molho de chave e um mapa e analisei bem o pedaço de papel à minha frente. Eu teria que subir ainda 32 andares para chegar ao salão marcado como ‘Salão de festas’. Eu sabia que era ali. Mas como eu: Sozinho, sem minha montante e sem armadura passaria por 32 andares de guardas armados enquanto tentava chegar vivo até o topo? Eu estava é ferrado. Até joguei o mapa fora para evitar pensar naquilo. ’

‘Mas como assim você jogou o mapa fora??? ’ – Perguntou indignado o rapaz mais novo, aparentemente confuso.

‘Mas ele não tinha solução mesmo, tinha que traçar um caminho sangrento, se não fosse assim, não seria uma missão de filho de Ares, e sim uma de algum cuzão de Afrodite. ’ – Replica o guri do meio, que devia ter uns 9 anos.

Acho que ele se arrependeu de ter falado um palavrão na frente de Ruan, que o repreendeu com um golpe de um bastão de madeira quebrado que estava jogado ali. ‘Você é muito novo para falar palavrão’- Diz o guerreiro macaco.

‘Shhhhh, deixa ele continuar’- Era o garoto mais velho, que parecia estar empolgado com a história.

‘Certo, certo. Onde eu parei? Ah sim. Jogar o mapa fora foi o que me salvou. Com um relance do olho, enquanto o mapa girava no ar, eu vi um desenho que salvaria minha vida... Ou quase. Era um elevador, que cortava todos os andares diretamente do primeiro até o trigésimo segundo andar. Lembro-me de ter sorrido de satisfação. Doce ilusão. ’

‘Peguei uma arma de Taser apenas por curiosidade. Eu nunca havia disparado uma antes, mas achei interessante colocar o objeto leve no coldre do cinto onde ele pertencia. Eu estava pronto, então segui para o primeiro andar, afinal eu estava apenas no térreo. ’

‘O primeiro andar estava estranhamente vazio. Vi a porta do elevador e descobri que era daqueles industriais, que não era fechado e sim coberto por grades apenas no andar em que ele parava, ou seja: Eu podia pular para fora em qualquer andar... E qualquer um podia pular para dentro em qualquer andar. Mas não foi isso que me deixou assustado, e sim o que vi em uma longa mesa que adornava o andar vazio: Um monte de metralhadoras automáticas, rifles de precisão, pistolas, escopetas, fuzis... Hera tinha me mandado para um casamento da máfia? ’

‘Não deixei isso me abalar. Fui até o elevador industrial e apertei o número 32. Se eu achei que aquilo ia subir silenciosamente, eu estava severamente enganado... Assim que ele saiu do chão, o elevador fez um barulho que ecoou na montanha INTEIRA. Pensei rápido e decidi fingir que era um guarda, afinal eu estava vestido como um. E realmente, os 30 primeiros andares foram tranquilos. Apenas um aceno de cabeça aqui e ali para fingir que eu era dali mesmo. O problema foi no trigésimo primeiro. Aparentemente guardas comuns não podiam subir ali, e um brutamonte de uns 2 metros de altura pulou para dentro do pequeno quadrado que eu chamava de elevador. O cumprimentei com um ‘oi’. Ele me cumprimentou com soco que me lançou duramente de costas na pequena grade que o andar tinha para impedir que as pessoas caíssem no fosso do elevador. Já saquei minha espada e fiz um corte em sua garganta, mas estranhamente, ele explodiu em pó. ’

‘Era um monstro, irmão? ’- Perguntou o mais novo das três crianças. Caramba, eu tinha esquecido que era meio-irmão deles. Aquilo me deixava confuso. Era meio que estranho ter uns irmãozinhos daqueles. ‘Sim, e eu descobri da pior maneira que aquela espada que eu estava usando não era a mesma do treino. Olhei para a lâmina e visualizei que o centro dela era de bronze celestial. Ora, aquilo facilitou muito a minha missão, pois aquele não era o único monstro que a máfia tinha a disposição. Durante dois andares inteiros, eu lutei contra monstros pulando para dentro do elevador. Desde ogros até uma górgona muito louca. ’

‘Então finalmente cheguei à cobertura. O pico descoberto da montanha. Curiosamente, cheguei bem na hora que o padre disse ‘Alguém é contra essa união?’ Sério. Só o que eu pensava na hora era: Que clichê. ’

Dou um tempo para os quatro ouvintes rirem, então continuo: ‘Eu não podia perder a chance né. Pulei a grade de proteção e gritei: Eu protesto! Esse casamento é contra a vontade de Hera. ’

‘A simples menção à deusa foi o suficiente para os convidados se levantarem e exporem suas armas. Minha vontade de fazer uma entrada triunfal quase gerou minha morte. Todos os 40 convidado possuíam armas variadas, mas aparentavam ser pessoas normais. Semideuses, eu tinha descoberto mais tarde. ’

‘Como assim semideuses?’- Me pergunta Ruan com sua voz falada. ‘Existem semideuses do mal?’ Olho para o macaco e respondo: ‘Você não conhece nosso mundo muito bem ainda, Ruan. Existem vários tipos de semideuses. Buscam caminhos ocultos e organizações obscuras em busca de poder e se perdem... Corrompem-se... Naquela noite, 40 desses morreram. ’

Dou uma pausa para absorverem aquilo, então continuo: ‘Após derrotar os 40, fui andando calmamente até o altar, onde a noiva e o noivo estavam juntos do padre e do aparentemente pai da noi... ’- Sou interrompido pelo mais velho dos três filhos de Ares: ‘Como assim? Você vai pular a parte da luta contra 40 semideuses? Essa é a mais interessante!’- Nossos irmãos protestam concordando. Dou um sorriso e começo a narrar a batalha.

Continua...


|Recompensa: 1.000 exp
250 dracmas|

Evento double: 2000 /500|



Nível 20 - Recompensa Sagrada II: Hera é a deusa das recompensas e bens materiais. Um campeão de Hera tem mais possibilidade de ganhar recompensas como itens e dracmas melhores em missões. ( Sempre ganha + 50% de Dracmas)




#1

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum